sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Resenha: O Código da Vinci - Dan Brown


Autor: Dan Brown
Páginas: 432
Ano: 2004
Editora: Sextante
Adicione: Skoob
SINOPSE: Um assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton. Momentos antes de morrer, Saunière consegue deixar uma mensagem cifrada na cena do crime que apenas sua neta, a criptógrafa francesa Sophie Neveu, e Robert Langdon, um famoso simbologista de Harvard, podem desvendar. Os dois transformam-se em suspeitos e em detetives enquanto percorrem as ruas de Paris e de Londres tentando decifrar um intricado quebra-cabeças que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica.
Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental - da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal. Mesclando com perfeição os ingredientes de uma envolvente história de suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, Dan Brown consagrou-se como um dos autores mais brilhantes da atualidade.
RESENHA: Em duas palavras? SIMPLESMENTE INCRÍVEL!
Como qualquer outro livro escrito por Dan Brown (minha opinião).
Esse é apenas o segundo livro de Dan que eu leio (o primeiro foi Anjos e Demônios, outro trabalho incrível), mas me apaixonei logo nos primeiros capítulos. Tenho um fraco por fraternidades históricas e a suas histórias em si. O que Dan Brown conta em o Código da Vinci vai além do que eu imaginei. A gente lê coisas que nem imaginava e que nos deixa de boca aberta. Aconteceu comigo várias vezes durante os diálogos em que os personagens contavam sobre a história do Priorado de Sião e sobre Jesus e Maria Madalena. E aliás, que personagens! 

A história toda se baseia, basicamente, em Robert Langdon, o nosso simbologista preferido. Sophie Neveu, uma criptóloga excepcional, e um monge albino que está incumbido de encontrar a "pedra chave" que leva ao famoso "Santo Graal". E, acreditem, ele não irá medir esforços para encontrar a pedra chave, e ninguém ficará em seu caminho.

Obviamente, outros personagens são incluídos ao longo do desenvolvimento do livro. Um deles, que mais causou reviravolta (eu acredito), é Sir Leigh Teabing, o cavaleiro da coroa britânica com uma obsessão incontrolável pelo Graal, e também, seu misterioso mordomo, Rémy Legaludec, que, convenhamos, acaba se mostrando um tanto ambicioso e até meio inconsequente. 

Dan Brown tem um jeito de escrever que prende mesmo, é praticamente impossível parar de ler! A narração é ótima e os personagens cada qual com seu mistério e charme. O talento dele em mesclar fatos históricos reais, obras primas da pintura e documentos históricos com personagens e situações fictícias deixa a história ainda mais gostosa de se ler. Você fica vidrado querendo saber mais sobre o tal "Priorado de Sião" e o porquê de tantas pessoas quererem a "pedra chave". Fica de queixo caído ao descobrir a suposta "verdade" sobre o Graal. E dá até uma vontade de ir dar uma pesquisada sobre o "Opus Dei".

É realmente uma história que nos agrega muito conhecimento histórico. Nota mil para o Código da Vinci. Estou ansiosa para ler os próximos livros de Dan e descobrir em que encrencas o senhor Robert Langdon vai se meter.

Recomendo que leiam imediatamente. Se você nunca se interessou muito por história, vai começar a se interessar assim que abrir esse livro. O Código da Vinci  vai te prender da primeira à última página, tenho certeza disso.
Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger